Paróquia Nossa Senhora de Fátima - Lisboa

quinta-feira, 5 de março de 2009

Perder alguém é também perder-se…

Lembro-me de, quando era muito pequeno, ir com a minha mãe ao Cartaxo.
Na altura o Cartaxo era muito diferente do que é hoje.
Era uma vila pequenina, apesar de aparecer como muito grande aos meus olhos de criança...
E daí o medo que eu tinha de me perder…

Ainda apanhei alguns sustos, do género de me distrair a ver qualquer coisa e, de repente, olhar para o lado e não ver a minha mãe ali logo ao pé de mim…
É que perder a minha mãe era sinónimo de perder-me, de ficar desorientado, de não saber nem o que fazer nem para onde ir…

Quando a morte passa perto de nós e perdemos alguém que nos é muito próximo sentimos algo de parecido…
E a intensidade com que o sentimos e vivemos depende naturalmente da profundidade dos laços que nos ligavam a essas pessoas


A minha mãe e um dos meus irmãos morreram há pouco tempo.
E tenho amigos a viverem situações semelhantes.
Penso conseguir imaginar como se sentem.
Certamente um pouco perdidos e desorientados, sem muitas vezes se darem logo bem conta do que lhes está a acontecer…

Tudo parece ficar suspenso no vazio.
A não ser que haja Alguém que permaneça coo referência de absoluto, Alguém com quem estabelecemos uma relação que dá sentido a tudo até mesmo àquilo que parece não ter sentido nenhum…

Esta é a riqueza, a grandeza e a beleza da fé:
Nunca nos deixa sentirmo-nos completamente perdidos.
Porque, para lá de tudo o que se perde, há sempre uma relação que sobrevive, a nossa relação com Deus, que ilumina todas as outras relações que ganham um sentido novo porque não morrem e apenas aparentemente se perdem!...

Padre Luís Alberto

1 Comentários:

  • Acredito que ao perdermos alguém que muito amamos acabamos necessariamente por nos encontrarmos, por saber quem queremos ser. E esse encontro é feito com a ajuda de Deus. Apenas Deus é capaz de transformar tamanho sofrimento em Vida, em Amor.
    A morte de alguém que nos é importante não podia deixar de ser também um momento importante nas nossas vidas. Um momento difícil. Mas um momento de crescimento, um momento que nos aproxima ainda mais de Deus e que nos obriga a repensar quem somos e quem queremos ser.
    Caro Padre Luís Alberto, rezo por si neste momento tão difícil da sua vida e agradeço-lhe as suas palavras que tanto me ajudam a compreender a presença de Deus na minha vida,
    Inês Noronha Falcão

    Por Anonymous Anónimo, Às março 07, 2009  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]



<< Página inicial